Amamentação natural ou biberão?

Todos os bebés nascem com a mandíbula posicionada para trás, de forma a facilitar a sua passagem pelo canal vaginal. A amamentação contribui para o desenvolvimento da musculatura e dos ossos da face do bebé, que ao receberem estímulo de crescimento possibilitam o correcto posicionamento e crescimento da arcada e do rosto da criança.

Além da importância afetiva e nutricional, o exercício muscular durante a sucção do seio estimula correctamente as estruturas orofaciais, reduzindo a possibilidade da criança desenvolver hábitos orais prejudiciais para o seu desenvolvimento, tal como o chuchar no dedo. Este é um dos hábitos que pode provocar alterações das arcadas dentárias (mau crescimento dos dentes), respiração oral (não estimulando a respiração pelo nariz), entre outras.
É prejudicial para a formação dos dentes do bebé trocar a amamentação no peito por biberões antes do período aconselhável?

Trocar a amamentação natural pela artificial com biberões não é prejudicial para a formação dos dentes do bebé em si. Na verdade, ela pode gerar alguma consequência para o bom posicionamento da mandíbula e do maxilar. Por outro lado, a amamentação é preferencial para o bom desenvolvimento respiratório da criança. Em suma, é importante que a criança mame no peito dos 6 meses até 1 ano, lembrando que a introdução de alimentos consistentes deve ser realizada assim que os dentes da criança irrompam, pois a mastigação também é um estímulo de crescimento mandíbular e o maxilar. Sendo assim, os pais devem preocupar-se não só com o desmame, mas também com o facto da criança comer alimentos mais sólidos além dos alimentos pastosos (sopinhas, papinhas, purés).

 

Próximo Tema:

Higiene oral nos bebés – os primeiros meses