Deglutição atípica

Podemos definir deglutição como o ato de engolir, isto é, o transporte do bolo alimentar ou de líquidos da cavidade oral até o estômago. A deglutição alcança a maturação aproximadamente aos 3 anos, quando passa a ser chamada deglutição adulta.
No caso da deglutição atípica existe uma alteração na função de engolir propriamente dita. É uma forma inadequada da língua e outros músculos que participam do ato de deglutir, durante a fase oral, realizar essa função.

Como deve ser feita a deglutição?

A deglutição acontece de duas formas diferentes, antes e após o aparecimento dos dentes, podendo assim ser observada como Deglutição Infantil Normal e Deglutição Madura Normal

Deglutição Infantil Normal – para acontecer a deglutição no recém-nascido ele deve impulsionar a língua para a frente, para criar um vedamento e conseguir realizar a pressão necessária para deglutir. Assim, na deglutição normal infantil a língua empurra os rebordos das gengivas e os lábios.

Deglutição Madura Normal – com o amadurecimento do sistema neuromuscular e o nascimento dos dentes molares começa a aprendizagem da mastigação e a criança começa então a adquirir o padrão de deglutição normal (em torno de 18 meses).

O processo de deglutição pode então ser dividido em três etapas:

Preparatória ou Bucal – momento em que preparamos o bolo alimentar (saliva, líquido, pastoso ou sólido) através da mastigação com objetivo de obtermos uma forma homogênea para engoli-lo. Essa fase é consciente e voluntária, depende da vontade e pode ser dominada. Quando o bolo alimentar está pronto se concentra por uma ação de sucção sobre a língua que em um movimento ondulatório de frente para trás impulsiona o mesmo para a faringe.

Fase Faríngea – Também é consciente mas depende de reflexos, portanto é involuntário. O bolo alimentar na faringe desencadeia uma série de reflexos como o fechamento da nasofaringe o que impede a comunicação com as fossas nasais, evitando a saída do bolo pelo nariz.

Fase Esofágica – É inconsciente e involuntária, sendo que o bolo alimentar, através dos movimentos peristálticos, é levado ao estômago.

A deglutição atípica

Em geral, a forma atípica de deglutir, acontece por problemas com os músculos envolvidos na execução dessa função, alteração do tónus, mobilidade e postura.

Uma das características observadas claramente na descrição do padrão da deglutição atípica é o pressionamento da língua nos dentes incisivos centrais e laterais (os dentes da frente) ocasionando muitas vezes alterações dos mesmos, levando ao aparecimento de diastemas (espaços entre os dentes), projeção dos dentes incisivos e mordida aberta.

O fato dos músculos não estarem com o seu tónus adequado, acarreta dificuldade para vedamento labial, facilitando o desenvolvimento do hábito da respiração bucal (pode ler mais sobre este assunto aqui).

Um outro fator a ser observado nos problemas da deglutição atípica é a alteração do tónus muscular da língua, usualmente associado a desvios na articulação dos fonemas /t/ /d/ /n/ /l/, pois esses fonemas têm o seu ponto de articulação no mesmo lugar onde a língua pressiona no ato da deglutição. Pelo mesmo problema de tónus os fonemas /s/ e /z/ podem apresentar escape da língua nos dentes incisivos centrais.

Tratamento da deglutição atípica

Normalmente, ao nos depararmos com as alterações da deglutição atípica, na maioria das vezes as mesmas já estão associadas a alterações conjuntas da forma das arcadas dentárias. Assim, o trabalho de reeducação da função normalmente é realizado em conjunto com o trabalho de um ortodontista e com o terapeuta da fala.

 

Exemplo:

deglutição atipica